[layerslider id=”3″]

A Gênese é uma das cinco obras básicas da Codificação do Espiritismo. É um livro que, conhecido e estudado, proporciona uma oportunidade excepcional de imersão em grandes temas de interesse universal, abordados de forma lógica, racional e reveladora. Divide-se em três partes: na primeira parte, analisa a origem do planeta Terra, de forma coerente, fugindo às interpretações misteriosas e mágicas sobre a criação do mundo; na segunda, aborda a questão dos milagres, explicando a natureza dos fluidos e os fatos extraordinários contidos no Evangelho; na terceira enfoca as predições do Evangelho, os sinais dos tempos e a geração nova, que marcará um novo tempo no mundo com a prática da justiça, da paz e da fraternidade. Os assuntos apresentados nos dezoito capítulos desta obra têm como base a imutabilidade das grandiosas leis divinas.

CAPÍTULO XVII – PREDIÇÕES DO EVANGELHO

MORTE E PAIXÃO DE JESUS

3. – (Após a cura do lunático) – Todos ficaram admirados do grande poder de Deus. E quando todo mundo ficava na admiração do que fazia Jesus, ele disse a seus discípulos: Colocai bem no vosso coração o que vou vos dizer: o filho do homem deve ser liberado entre as mãos dos homens. Mas eles nunca entendiam esta linguagem; era-lhes de tal forma oculta que não na compreendiam nada e temiam, mesmo, de interrogá-lo sobre este assunto. (São Lucas, cap. IX, v. 44 e 45)

4. – Desde então Jesus começou a revelar a seus discípulos que seria necessário que ele fosse a Jerusalém; e aí sofreria muito da parte dos senadores, dos escribas e dos príncipes dos sacerdotes; que seria posto à morte e que ressuscitaria no terceiro dia. (São Mateus, cap. XVI, v. 21)

5. – Logo que chegou à Galileia, Jesus lhes disse: o Filho do homem deve ser entregue entre as mãos dos homens; e eles o farão morrer; e ele ressuscitará no terceiro dia; o que os afligiu extremamente. (São Mateus, cap. XVIII, v. 21, 22)

6. – Ora Jesus, indo a Jerusalém, tomou à parte seus doze discípulos e lhes disse: Nós vamos a Jerusalém e o Filho do homem será entregue aos príncipes dos sacerdotes e aos escribas que o condenarão à morte; – e o liberarão aos gentios a fim de que eles o tratem com escárnio, e que o chicoteiem e o crucifiquem; e ele ressuscitará ao terceiro dia. (São Mateus, cap. XX, v. 17 a 19)

7. – Em seguida Jesus, tomando à parte os doze apóstolos, lhes disse: Eis, vamos a Jerusalém e tudo aquilo que foi escrito pelos profetas tocante ao Filho do homem, vai ser cumprido; – porque ele será liberado aos gentios, zombar-se-á dele, chicoteá-lo-ão, e lhe escarrarão no seu rosto. – E, após o quê, ele será chicoteado e o farão morrer, e ele ressuscitará no terceiro dia.

Mas eles não compreenderam nada de tudo isso; esta linguagem era-lhes fechada, e eles não entenderam absolutamente nada do que ele lhes dizia. (São Lucas, cap. XVIII, v. 31 a 34)

8. – Jesus, tendo terminado todos os seus discursos, disse a seus discípulos: – Vocês sabem que a Páscoa se fará em dois dias, e que o Filho do homem será liberado para ser crucificado.

Ao mesmo tempo, o príncipe dos sacerdotes e os anciões do povo reunir-se-ão na corte do grande sacerdote chamado Caifás, – e tomaram conselho entre eles para encontrar um meio de se apoderar jeitosamente de Jesus e de fazê-lo morrer. – E eles disseram: É preciso apenas que seja durante a festa, de medo que não provoque qualquer tumulto entre o povo. (São Mateus, cap. XXVI, v. 1 a 5)

9. – No mesmo dia, alguns fariseus vieram lhe dizer: Vá em frente, sairá deste lugar, porque Herodes quer vos fazer morrer. – Ele respondeu-lhes: vá dizer a esta raposa: Tenho ainda que expulsar os demônios e encontrar a saúde aos doentes hoje e amanhã e no terceiro dia serei consumado por minha morte. (São Lucas, cap. XIII, v. 31 e 32)