[layerslider id=”8″]

Livro Obras Póstumas

ALLAN KARDEC
3 DE OUTUBRO DE 1804 • 31 DE MARÇO DE 1869
FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
Tradução de Guillon Ribeiro

 

Livro Obras Póstumas – OP

SEGUNDA PARTE

Extratos in extenso, tirado do livro das Previsões Concernentes ao Espiritismo manuscrito composto com um cuidado todo especial por Allan Kardec; E do qual nenhum capítulo foi até este dia publicado

 MEU ESPÍRITO PROTETOR

11 de dezembro de 1855

(Em casa do sr. Baudin, méd. srta. Baudin.)

– Pergunta ao Espírito Z. No mundo dos Espíritos, há um deles que seja para mim um bom gênio?
– Resposta. Sim;

– Perg. É o Espírito de um parente ou de um amigo?
– Resp. Nem um nem outro.

– Perg. Quem foi sobre a Terra?
– Resp. Um homem justo e sábio.

– Perg. Que devo fazer para granjear a sua benevolência?
– Resp. O mais de bem possível .

– Perg. Por quais sinais poderei reconhecer a sua intervenção?
– Resp. Pela satisfação que sentirás.

– Perg. Há um meio de evocá -lo, e qual?
– Resp. Ter uma fé viva e pedir com empenho .

– Perg. Depois de minha morte o reconhecerei no mundo dos Espíritos?
– Resp. Isso não é duvidoso; será ele que virá te felicitar, se cumprires bem a tua tarefa.

NOTA. – Vê-se, por essas perguntas, que eu estava ainda bem novato sobre as coisas do mundo espiritual.

– Perg. – O Espírito de minha mãe vem algumas vezes me visitar?
– Resp. Sim, e ela te protege tanto quanto isso seja possível.

– Perg. Frequentemente eu a vejo em sonho; é isso uma lembrança e um efeito de minha imaginação?
– Resp. Não; é bem ela que te aparece, tu deves compreendê -lo pela emoção que sentes.

NOTA. – Isto é perfeitamente exato; quando minha mãe me aparecia em sonho, eu sentia uma emoção indescritível, o que o médium não poderia saber.

– Perg. Quando, há algum tempo, evocamos S, e lhe perguntamos se poderia ser o gênio protetor de um de nós, ele respondeu: “Que um de vós se mostre digno e eu estarei com ele: Z. vos dirá;” crês-me capaz desse favor?
– Resp. Se tu o queres.

– Perg. Que é preciso fazer para isso?
– Resp. Fazer todo o bem que encontrares por fazer e suportar as penas da vida com coragem.

– Perg. Estou apto, pela natureza de minha inteligência, para penetrar, tanto quanto é permitido ao homem fazê-lo, as grandes verdades de nossa destinação futura?
– Resp. Sim, tens a aptidão necessária, mas o resultado dependerá da perseverança no trabalho.

– Perg. Posso concorrer para a propagação dessas verdades?
– Resp. Sem dúvida.

– Perg. Por quais meios?
– Resp. Sabê-lo-ás mais tarde; à espera, trabalha.