[layerslider id=”3″]

A Gênese é uma das cinco obras básicas da Codificação do Espiritismo. É um livro que, conhecido e estudado, proporciona uma oportunidade excepcional de imersão em grandes temas de interesse universal, abordados de forma lógica, racional e reveladora. Divide-se em três partes: na primeira parte, analisa a origem do planeta Terra, de forma coerente, fugindo às interpretações misteriosas e mágicas sobre a criação do mundo; na segunda, aborda a questão dos milagres, explicando a natureza dos fluidos e os fatos extraordinários contidos no Evangelho; na terceira enfoca as predições do Evangelho, os sinais dos tempos e a geração nova, que marcará um novo tempo no mundo com a prática da justiça, da paz e da fraternidade. Os assuntos apresentados nos dezoito capítulos desta obra têm como base a imutabilidade das grandiosas leis divinas.

CAPÍTULO IX – REVOLUÇÕES DO GLOBO

REVOLUÇÕES GERAIS OU PARCIAIS

1. – Os períodos geológicos marcam as fases do aspecto geral do globo, pela sequência de suas transformações; mas se tem como exceção o período diluviano, que porta os caracteres de uma desordem súbita; todas as demais se completaram lentamente e sem transição brusca. Durante todo o tempo em que os elementos constituintes do globo se puseram a tomar seus assentos, as trocas se dizem ser gerais; uma vez consolidada a base, só se produziram modificações parciais na superfície.

2. – Além das revoluções gerais, a Terra experimentou um grande número de perturbações locais que mudaram o aspecto de certas regiões. Como por outras, duas causas para isso contribuíram: o fogo e a água.

O fogo: quer pelas erupções vulcânicas que enterraram sob espessas camadas de cinza e de lavas os terrenos circundantes, fazendo desaparecer as cidades e seus habitantes; quer por tremores de terra, quer por soerguimento da crosta sólida, refugando as águas sobre as regiões mais baixas; quer pelo abatimento desta mesma crosta em certos sítios, sobre uma extensão mais ou menos dimensionada, onde as águas se precipitaram, deixando outros terrenos à descoberta. Foi assim que as ilhas surgiram no seio do oceano enquanto que outras desapareceram; que porções de continentes se separaram e formaram ilhas, que braços de mar posto a seco reuniram ilhas aos continentes.

A água: quer pela irrupção ou o retraimento do mar sobre certas costas; quer por derrocada que, retendo os cursos d’água, formaram os lagos; quer por transbordamentos e as inundações; quer, enfim, por aterramentos formados nas embocaduras dos rios. Estes aterros refugando o mar, criaram novos campos; tal é a origem do delta do Nilo ou Baixo Egito, do delta do Ródano ou Camargo e de tantos outros.